A História de David Ostermayer

view this post in other languages: English, Español

American Dream Series

A História de David Ostermayer

By Maria Danniella Gutiérrez-Salem

Nosso entrevistado hoje é David Ostermayer.

Você tem um sobrenome alemão, mas seu espanhol é perfeito, por quê? “Meu pai é um alemão da primeira geração, e é por isso que meu sobrenome é alemão, mas reconheço que meu alemão é muito básico. Quanto ao meu espanhol, minha mãe nasceu em Bogotá, Colômbia, e imigrou para esse país em busca do sonho americano, cresci conhecendo as duas culturas, mas, devo admitir que vivi mais com a família da minha mãe e é por isso que o meu espanhol é muito melhor do que o meu alemão.”

Como seus pais se conheceram? “Eles se conheceram quando ambos trabalhavam nos correios. Minha mãe é uma mulher entusiasta, comunicativa e generosa, sempre disposta a ajudar os outros e meu pai é um homem muito focado, organizado e metódico. Eu acho que eles se complementam bem. Eu os admiro porque são pessoas que valorizam a família. Para ambos, a família vem primeiro e nada é um grande sacrifício se for para ela.”

Você considera que sua educação foi diferente da de seus amigos? “Eu nasci e cresci em Stamford. Vivi em Connecticut toda a minha vida e para ser honesto, acho que toda família é um universo diferente. Posso dizer que minha mãe é uma pessoa muito carinhosa e isso sempre me pareceu uma característica muito latina. Ela sempre tenta ver o melhor em tudo e manter a união familiar. Celebrações, por menores que sejam, tornam-se um evento quando ela está envolvida. No entanto, devo dizer que há também o lado do compromisso e fazer o que é certo. Embora me amando, se eu fizesse algo ruim, sabia que minha mãe não deixaria passar, porque a disciplina sempre estava presente. Além disso, devo falar sobre esse sentimento de ter pais para qualquer coisa e que os meus têm estado comigo nos bons e não tão bons momentos. Nunca tive medo ou vergonha de pedir ajuda quando precisei, porque cresci entendendo que a família está sempre lá para você.”

O que você faz? “Na faculdade estudei para uma carreira relacionada à administração. Então, fiz uma pós-graduação em saúde e finalmente obtive minha certificação para cuidar de isosos, ou geriatria; acho que essa é a tradução em espanhol.”

Por que você decidiu trabalhar na área geriátrica? “Meus pais trabalhavam e minha avó paterna morava conosco; ela contribuiu muito para a minha educação. Acho que meu amor pela minha avó me fez entender que os idosos precisam de cuidados especiais para se sentirem seguros e incluídos. Eu sempre gostei de ajudar os outros, então meu trabalho permite que eu me sinta muito bem comigo mesmo porque encontrei uma ocupação em que posso fazer a diferença fazendo algo pelos outros. Não se trata apenas de responsabilidade; é sobre dar o melhor de você. Quando se trabalha em uma instituição para idosos, você se conecta com um aspecto muito importante da vida que é  todos nós vamos envelhecer e depender, em maior ou menor grau, dos outros.”

Conte-me sobre sua família? “Eu tenho uma esposa muito especial, a quem admiro muito, porque ela tem muita força. Além disso, ela tem uma qualidade que não acho que seja muito comum que é a de sempre fazer as perguntas certas para conhecer uma pessoa ou para ajudá-la a encontrar a resposta que precisa para um problema. Eu realmente não consigo explicar com palavras simples o quanto ela contribuiu para a minha vida. Tenho sorte e tenho muito a agradecer, especialmente por ser pai de uma menina e de um menino. Agora entendo muitas coisas. Uma delas é que você se reinventa para ser uma pessoa melhor porque não está mais sozinho; você tem uma responsabilidade que é mais do que apenas você. Minha esposa e meus filhos levam minha vida na direção de sua felicidade. Quero que nossos filhos cresçam sentindo-se amados e entendendo que tanto a mãe como eu estaremos sempre lá para eles. Quando você é pai, é como se o egoísmo não acontecesse mais em sua vida, porque eles veem em primeiro lugar.”

Qual seria a sua mensagem final? “Tudo o que fazemos é o reflexo de nossos pais e será para nossos filhos, e é por isso que não devemos dar um passo sem pensar nas consequências. Nunca esqueça que a família vem em primeiro lugar.”

 

María Danniella Gutiérrez-Salem exerceu advocacia na Venezuela antes de seguir seu próprio sonho americano e se tornar escritora nos Estados Unidos. Ela também é corretora licenciada e pode ser contatada pelo e-mail maria@ctdreamhouse.com ou ligando para 475-289-1461.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
July 19, 2018

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *