A história de Ileana Camacho Kotulich

Veja esta matéria em English, Español

American Dream Series

A história de Ileana Camacho Kotulich

By María Danniella Gutiérrez-Salem

Nossa entrevistada de hoje nasceu na Virgínia, mas cresceu em Connecticut, e seus pais são cubanos. Ela é uma pessoa com um entusiasmo extremamente contagioso pela vida. Perguntei como seus pais deixaram Cuba e ela respondeu: “Eles deixaram Cuba no dia 31 de dezembro de 1961 com a desculpa de viajar de férias, a família inteira não tinha permissão para sair, então meu pai veio com minha irmã e minha mãe veio sozinha tentando esconder sua gravidez. Meu pai nunca se cansa de nos contar um episódio em que o avião estava a uma certa altura e o piloto em voz alta falou: “Agora você está livre”.

Ele sempre fica emocionado ao lembrar disso, e isso porque ele tem muitos sentimentos misturados. Eles vieram a este país com apenas o desejo de serem livres, deixando para trás todos seus bens, para começar do zero. Ele ficou separado da minha mãe por dois meses, até que o governo americano pudesse verificar que ele não era um espião comunista.

Minha mãe tinha um parente em Virgínia, onde meu pai foi trabalhar como exterminador. Embora ele estivesse acostumado com o trabalho de escritório em um banco internacional, ele tinha que cuidar da sua família, portanto, ele não se importava com isso, muito menos em viver em distritos que não eram agradáveis. Eles eram os únicos latinos lá. Com o passar do tempo, ele conseguiu um pequeno emprego como mensageiro em um banco, onde por causa de sua honestidade, e apesar de não falar inglês, eles lhe deram a oportunidade de ser caixa.

Meu pai cresceu profissionalmente e depois nos mudamos para Connecticut, onde ele se tornou o primeiro vice-presidente latino da filial de uma instituição bancária, uma posição que ele usou para ajudar a crescente comunidade latina em Bridgeport. Minha mãe sempre procurou maneiras de apoiar meu pai, primeiro cuidando de crianças e depois com vendas, carregando livros para uma empresa internacional porque ela sabia espanhol.

Hoje, como mãe, entendo como meus pais às vezes devem ter se sentido impotentes porque queriam nos dar o conforto e o luxo que tínhamos em Cuba. No entanto, eles nos deram tudo o que era necessário e mais, porque graças a eles, valorizo a honestidade, o respeito e a constância. Talvez tentando compreendê-los e me entender, decidi estudar psicologia.

As tarefas foram muito difíceis para mim, porque não tinha o nível acadêmico, mas com dedicação e esforço fui em frente provando a mim mesma que com a ajuda de Deus e dando o nosso melhor o único limite para nosso sucesso somo nós mesmos. Tenho duas formações, uma em psicologia e uma em espanhol. Conheci meu marido no ensino médio enquanto trabalhava em uma loja de ferragens.

Ele tem sido minha vida, amor, apoio, tranquilidade, às vezes me colocando com os pés no chão. Depois de ser recém-casada e trabalhar como psicóloga escolar em Bridgeport, decidi me especializar em psicologia escolar na Universidade de Fairfield de CT e, depois, obtive um PhD na Escolha de Psicologia Ferkauf, Bronx NY, que terminei no meu último mês de gravidez. Muitas pessoas me disseram que eu não podia trabalhar a tempo inteiro e estudar.

Mas quando me dizem que não posso fazer algo, isso me leva a continuar. Por mais de doze anos exerci minha profissão com amor e dedicação até que percebi que enquanto estava brincando com os filhos dos outros no meu escritório, estava perdendo o crescimento dos meus filhos. Então Deus me apresentou uma oportunidade e fui convidada para uma demonstração de produtos de beleza. Dez meses depois eu estava ganhando mais com esta empresa do que trabalhando como psicóloga.

Quase vinte anos depois, posso dizer que esta é a melhor decisão que tomei em minha vida. Este é um trabalho que me fez crescer internamente, mudando as vidas de muitas pessoas. É por isso que senti a inspiração para escrever um livro e contar tudo o que aprendi”.

Sua mensagem final? “Encontrei minha missão e isso está inspirando os outros a acreditar que eles podem ser autossuficientes e encontrar o bem que têm dentro de si. Sinto que posso ser um exemplo para a comunidade latina, que emigrou e fez tantos sacrifícios para educar e ver seus sonhos realizados através de seus filhos”.

María Danniella Gutiérrez-Salem praticou direito na Venezuela antes de ir atrás de seu próprio sonho americano e se tornar escritora nos Estados Unidos. Mdgutier@gmail.com.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
February 25, 2017

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *