A História de Verônica Martins

Veja esta matéria em: English, Español

American Dream Series, Série Sonho Americano

A História de Verônica Martins

By Mariana Silva

Conheça a história da artista Plástica, Verônica Martins. Ela relembra a sua origem simples, a transição para um país desconhecido e a dificuldade de trabalhar com arte, mas que através do amor pela profissão a fez superar cada obstáculo e seguir em frente.

Tribuna Newspaper – Veronica, para começar, conte-nos um pouco da sua vida pessoal.

Veronica Martins- Eu sou de Recife, região nordeste do Brasil. Venho de uma família muito simples, tenho sete irmãos, desses, cinco são desenhistas. Digo que  é um dom oferecido por Deus e herança do meu pai, que era Policial Federal e desenhava nas horas vagas. No Brasil eu  vendia roupas e desenhava por prazer nos momentos livres. Quando saía com as sacolas de roupas para vender, sempre colocava algumas telas em meio as peças, pois gostava de mostrar os meus desenhos.

Tribuna Newspaper-  Há quanto tempo você reside nos EUA?

VM-  Um dia decidi passar 10 dias aqui nos Estados Unidos, mas a vida é uma caixinha de surpresa e a realidade muda em 24 horas. Acabei me instalando em Bridgeport, onde resido há 16 anos. Como todo mundo, eu precisei trabalhar com limpeza para conseguir sustentar a minha família, mas paralelamente, continuava a desenhar.

Tribuna Newspaper- Qual é a sua especialidade?

VM- Eu trabalho como artista plástica há mais de 30 anos, porém, somente há 24 anos é que fui consagrada como artista, através de um concurso de pintura no Museu do Estado de Pernambuco, promovido pelo 2° COMAR – Comando Aéreo Regional  de Recife. A minha especialidade é desenhar rostos em grafite e carvão no estilo realístico. Além de pintar com diferentes técnicas em madeira, canvas, waterpaper, parede, barro e em pedras calcárias.

Tribuna Newspaper- Nestes anos de muito trabalho, quais momentos foram marcantes na sua carreira? Houve momentos de dificuldades que pensou em jogar tudo para o alto?

VM- Eu já pensei em deixar a arte de lado, mas o amor pelo meu trabalho sempre falou mais alto. Na minha carreira tive vários momentos marcantes. Um momento que marcou bastante foi em 2013 quando o BACC (Departamento de Arte e Cultura da cidade de Bridgeport) me consagrou como artista da cidade, devido ao projeto “Quero ser Artista”. Outro momento importante foi a pintura em pedras calcárias da Santa Guadalupe localizada no parque Margaret Shrine em Bridgeport, pintadas no estilo Afresco – técnica usada por artistas da época do Iluminismo. Eu presenciei fiéis se ajoelhar e chorar de emoção ao ver a imagem da santa. Também recebi alguns prêmios em reconhecimento do meu trabalho.

Tribuna Newspaper- Atualmente você desenvolve oficinas de artes com crianças e adolescentes. Quando começou e qual a proposta do trabalho?

VM- Criado em 2012, o programa “Quero ser Artista” nasceu através de observar minha filha mais nova, nesta época com 9 anos de idade, constantemente utilizando aparelhos eletrônicos. Esta oficina visa trabalhar e exercitar a criatividade dessas crianças e adolescentes, e com isso, minimizar os horários gastos em frente ao computador.

Tribuna Newspaper- Qual a mensagem que você deixa, para os inúmeros imigrantes, que assim como você, saiu de seu país de origem para vivenciar o tão almejado “American Dream”?

VM- Peço que orem e não permitam que o vírus do materialismo absorva a mente e o coração. Estamos de passagem e temos que nos abraçar mais. Precisamos ser unidos, fazer algo de bom para o outro. Faça algo em prol de ajudar a comunidade, seja solidário, pois não estamos aqui para todo sempre, nesta terra estamos apenas de passagem.

Para conhecer melhor o trabalho da artista, visite a página do Facebook: Drawing and painting by Veronica Martins.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
November 29, 2016

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *