A Presença do Vinho nas Culturas Brasileira e Americana

View this post in other languages: English, Español

Colunas, Little Brazil

A Presença do Vinho nas Culturas Brasileira e Americana

By Karla Rensch

O vinho é uma das bebidas mais antigas da qual se tem conhecimento e trás consigo uma enorme bagagem histórica e cultural. O seu consumo gradativo é extremamente marcante em todos os cantos do mundo. Podemos dizer que o brasileiro vem aprendendo, no decorrer dos anos, a consumir e apreciar um bom vinho, enquanto que o americano já é bastante familiarizado com as suas  peculiaridades.

Débora Dividino, renomada Chef brasileira residente em Newtown, (Facebook: Share the Chef), além de pesquisar sobre o assunto é também uma apreciadora nata de vinhos de boa qualidade. Seu conhecimento abrangente sobre as diferenças entre o consumo no mercado brasileiro e americano a levaram a promover “Pop Up Dinners”. Estes jantares sofisticados regados a vinhos espetaculares são uma oportunidade onde americanos e brasileiros, até então desconhecidos, trocam experiências de vida em bate papos relaxados, enquanto Débora e o seu marido, Paulo Simão, explicam sobre o vinho que está sendo servido, desde a sua produção à seleção para acompanhar o cardápio que eles selecionaram para servir.

Débora explica que o motivo do consumo no mercado americano de vinho ser maior que a no brasileiro é meramente cultural e climático. Primeiro, o clima quente do Brasil faz com que seus nativos naturalmente prefiram bebidas geladas e mais refrescantes. Segundo, o custo alto da importação faz o país produzir pouco vinho, o que vem mudando bastante na atualidade, visto que o mercado (produção e consumo) desde 2015 vem crescendo progressiva e continuamente. E por último, o fato de que a cachaça e a cerveja são produtos de custo bem mais acessível e o povo brasileiro tende a preferir o mais por menos.

É comum observar o brasileiro recusar um vinho sofisticado por falta de hábito em consumí-lo. Entretanto, esta tendência vem mudando e hoje vemos um número maior de brasileiros despertando o interesse por vinhos, refinando o paladar e buscando informação sobre o assunto.

Em relação aos americanos, Débora diz que, ao contrário do Brasil, nos Estados Unidos o consumo é mais expressivo e a apreciação é visível, pois existe a facilidade de encontrar um menor custo na entrada de bons produtos oriundos de várias as partes do mundo. O americano tende a gostar de consumir o vinho porque ele aprecia a origem e a história do mesmo. O inverno rigoroso em muitos estados também contribui para que os Estados Unidos sejam um grande consumidor de vinho, até mesmo em suas regiões mais quentes, onde o consumo do vinho branco é considerável.

O mercado americano tende a preferir vinhos franceses, italianos e californianos, seguidos dos chilenos e argentinos. Já os brasileiros optam pelos portugueses, argentinos, romenos e californianos, pois o paladar se identifica mais ao da nossa cultura.

Em se tratando de vinho, o segredo é provar! A experiência de tomar um bom vinho é relaxante e descobrir a sua procedência e como melhor apreciá-lo, certamente faz toda a diferença.

 

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
March 21, 2018

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *