Incentivar uma Comunidade com Base na Bondade e na Empatia

View this post in other languages: English, Español

Colunas, Pais & Filhos

Incentivar uma Comunidade com Base na Bondade e na Empatia

By Anne E. Mead, Ed. D.

Bondade: amigável, generosa, atenciosa e preocupada com os outros. Empatia: a capacidade de entender e compartilhar os sentimentos e experiências dos outros. Imagine um mundo em que toda criança tenha essas características. Aprender a ser gentil começa nos primeiros anos do nascimento até a idade adulta. Crianças com habilidades de bondade tornam-se mais tolerantes e aceitam os outros. É uma habilidade frequentemente ensinada em casa. As crianças imitam o que veem em outros modelos. Se as ações são um comportamento negativo, é isso que as crianças aprendem. Modelagem positiva em que a diferença entre certo e errado é ensinada, como você trata o outro e como se trata, é a direção a seguir. Como você se trata e trata os outros se torna o fundamento da maioria das decisões: uma habilidade vitalícia que todos precisam.

A bondade é baseada em como você se vê, sua própria ética, valores e crenças. Pode significar que você diz “não” a alguns pedidos, enquanto outros recebem um retumbante “sim”. Misturar bondade com compreensão cria empatia. Todos os seres humanos têm uma habilidade inata de serem gentis e desenvolverem empatia à medida que envelhecem. As famílias podem ajudar seus filhos a desenvolverem a bondade falando sobre o que é certo, discutindo, usando exemplos de sua própria infância e resolvendo os problemas atuais que as crianças talvez tenham.

Fazer perguntas sobre o que seu filho pode fazer antes de saltar em suas próprias expectativas o ajuda a amadurecer seus próprios sistemas de pensamento. Isso desenvolve a capacidade de tomar decisões gentis com as crianças e outras pessoas. Ter diretrizes e limites de como os outros são tratados ajuda a dar às crianças o apoio necessário para que elas tomem boas decisões. Tendo discussões abertas, assumindo tarefas domésticas, fazendo coisas para ajudar outras pessoas em sua família ou bairro a desenvolverem a bondade. Oferecer-se para ser voluntário em um banco de alimentos, levar bebidas à igreja ou visitar um lar de idosos são ótimas atividades que ensinam habilidades básicas de bondade e empatia.

Você pode incorporar exemplos de atos de bondade na rotina diária de seu filho. As crianças de 2 a 4 anos normalmente não conseguem articular a gentileza, mas são melhores em demonstrá-la através da linguagem corporal ou da ação indireta. As crianças pequenas geralmente precisam de um adulto atencioso para verbalizar o que estão fazendo. Enquanto uma criança mais velha, com idades entre 4 e 6 anos, começa a reconhecer quando um amigo está triste e pode perguntar como fazê-lo se sentir melhor. Esse tipo de comportamento deve ser apoiado pelo adulto ao redor da criança. Pergunte ao seu filho quais atos de bondade e de empatia eles viram na escola, em um programa pós-escolar ou na vizinhança. Discuta por que seu filho pensou que era um ato gentil e como ele poderia devolver a bondade ou demonstrá-la a outras pessoas. Em casa, mantenha um gráfico de “bondade”, onde cada membro da família reflete sobre a bondade de outro e por que eles pensaram que isso era verdadeiro. A bondade age quando você vê isso acontecer dentro ou fora de sua casa. No mundo em que nem todos são gentis uns com os outros, saiba que você e sua família podem fazer a diferença. Boas festas da minha família para a sua.

Anne E. Mead, Ed. D., é administradora dos Programas de Educação Infantil e Aprendizagem Estendida das Escolas Públicas de Danbury. Se tiver alguma dúvida, entre em contato com ela pelo telefone 203-830-6508 ou meadan@danbury.k12.ct.us

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
December 14, 2019

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *