PITÚ: Uma Dose Especial da Aguardente Brasileira nos EUA

View this post in other languages: English, Español

Colunas, Little Brazil

PITÚ: Uma Dose Especial da Aguardente Brasileira nos EUA

By Karla Rensch

A cachaça brasileira é amplamente conhecida como produto de qualidade que predomina, desde sempre, no topo das exportações pelo mundo afora. Em 2017, segundo o Instituto Brasileiro de Cachaça (IBRAC) e o Ministério da Indústria e Comércio Exterior (MDIC), os Estados Unidos da América são e continuam sendo o principal mercado para a cachaça brasileira, tendo absorvido 17,69% das vendas ao exterior. As exportações de cachaça geraram uma receita de $15,81 milhões, comprovando uma alta de 13,43% nas vendas em comparação ao ano anterior (2016).

No dia 2 de maio, a Baldor, empresa distribuidora de diversos produtos alimentícios de qualidade para restaurantes, reuniu os seus maiores compradores dos estados de New York e Connecticut, para a grande e disputada feira que promovem anualmente, Baldor Bite Food Fair 2018. Mesmo não sendo a distribuidora da PITÚ, empresa brasileira de cachaça, a Baldor a convidou para participar de sua exposição e apresentar sua cachaça ao público americano, provando assim o porque  de sua liderança no mercado.

Lara Carneiro, uma das netas do fundador e responsável pela propagação da marca nos estados Unidos, conta que a PITÚ é uma empresa 100% pernambucana, fundada em 1938 na cidade de Vitória de Santo Antão por seu avô, Joel Cândido Carneiro, e pelos senhores Severino Ferrer de Morais e José Ferrer de Morais. Ela conta que a PITÚ era uma empresa pequena que começou a crescer aceleradamente em 1948 e não parou até os dias atuais.

A marca PITU consolidou-se no mercado nas décadas de 50 a 80, quando a empresa aumentou a sua produção, comercialização e participação de mercado. Em 1970, devido ao grande sucesso da marca, começaram as exportações, primeiramente para a Alemanha, depois em toda Europa e estendendo as vendas aos Estados Unidos.

Foi em 1974 que a empresa virou indústria, tornando-se pioneira no mercado com o lançamento da aguardente envasada em recipiente metálico, tipo lata de latão, que em 1992 virou lata de alumínio. Sua expansão continua progressiva. Entre 1999 e 2001, a PITÚ comemorou um aumento imprescindível em suas exportações, chegando em 56% de suas vendas para o mercado mundial.

Até hoje a participação da PITÚ no mercado internacional continua se expandindo a olhos vivos. Os números demonstram que a empresa é líder em exportação de aguardente para a Alemanha, que distribui para toda a Europa, e vem investindo pesado na fatia que ocupa no mercado americano. Afinal, quem de nós resiste a uma boa caipirinha?

Para saber como ter a cachaça em seu restaurante ou estabelecimento comercial, ou como solicitar um bar de caipirinha (tasting), ou onde encontrar a PITÚ para consumo, envie um e-mail para contato@laracarneiro.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
May 23, 2018

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *