Ainda que Embaraçoso, Lamont e Sindicato se Unem por um Salário de US$ 15

View this post in other languages: English, Español

Capa, Cover

Ainda que Embaraçoso, Lamont e Sindicato se Unem por um Salário de US$ 15

By Mark Pazniokas | ctmirror.org

O governador Ned Lamont menciona Joe Biden: “Este é um…. negócio” Ele está rodeado por uma sorridente senadora Julie Kushner o semblante confuso da vice-governadora Susan Bysiewicz. 

O governador Ned Lamont foi a um lar de idosos em Hartford no dia 28 de maio para assinar uma cópia da lei elevando o salário mínimo, de US$ 10,10, em cinco etapas, para US$ 15,00, um momento de celebração e solidariedade com os trabalhadores progressistas para um governador democrata que agora bloqueia a aprovação final de outra prioridade trabalhista, a licença familiar e médica pagas. 

O primeiro salário mínimo a chegar a uma mesa do governador de Connecticut em cinco anos, a medida foi introduzida na Assembleia Geral por duas mulheres, a deputada democrata Robyn Porter e a senadora Julie Kushner. Cada uma delas repetidamente lembrou seus colegas que o típico ganhador de salário mínimo no estado é do sexo feminino, negro ou moreno, e frequentemente um imigrante. 

Mas a assinatura apenas do quarto projeto de lei a chegar à mesa de Lamont e o primeiro a merecer uma cerimônia de assinatura fora do Capitólio do Estado não ocorreu sem seus momentos embaraçosos, lembretes da desconfiança de Lamont em relação ao cenário político – e o fato de ele estar comemorando com progressistas furiosos com sua ameaça de vetar em 11 horas a licença familiar por causa da maneira como o programa seria administrado. 

A celebração ocorreu no Parkville Care Center, uma casa de repouso sindicalizada que acabou de fechar um acordo com uma afiliada da SEIU, Distrito 1199. A equipe do governador não sabia que sob uma propriedade e um nome diferente, a instalação foi o cenário de um dos incêndios mais fatais do país em 2003, um incêndio desencadeado por um paciente perturbado que matou 16 pessoas. 

Trabalhadores de lares de idosos e da indústria de fast-food foram recrutados pelos organizadores para se tornarem vozes de um movimento, como A.J. Johnson. O carismático pastor da Igreja do Refúgio da Esperança Urbana, Johnson, disse que a campanha do salário mínimo era fundamental para o seu ministério em North End, Hartford. 

Johnson iniciou um refrão usado durante a campanha, dizendo: “Eu. Acredito. Que. VamosGanhar. Johnson pulou como se estivesse em um pogo stick (pula-pula), sorrindo quando a multidão rapidamente seguiu um canto alto e rápido: “Eu acredito que vamos ganhar! Eu acredito que vamos ganhar! 

O pastor lembrou que eles haviam vencido. 

Podemos, por favor, manifestar isso? 

Eles manifestaram. 

A republicana Robyn Porter pegou a caneta. 

Lamont, um empresário de Greenwich que gastou cerca de US$ 15 milhões de seu próprio dinheiro em sua campanha ano passado, reconheceu que a campanha foi longa. A passagem da lei foi impossível nos últimos anos, bloqueada por um senado estadual dividido entre democratas e republicanos. Os democratas agora controlam a câmara, 22-14. 

Este ano, nós conseguimos, disse Lamont em meio a gritos e vivas. 

O governador chamou a assinatura do projeto de lei de um momento de grande importância, comparando-o à aprovação do Affordable Care Act, ainda que de maneira um pouco inadequada. Ele fez alusão ao sussurro do vice-presidente Joe Biden a Barack Obama, capturado em um microfone: Este é um grande [expletivo]…. negócio. 

Como Joe Biden dissefalou Lamont fazendo uma careta: Este é um…”, o governador fez uma pausa… negócio. 

vice-governadora Susan Bysiewicz o encarou. 

Lamont recordou o dia em que se sentou com membros dos sindicatos de afiliadas da SEIU, principalmente mulheres com empregos que pagam um salário mínimo, e ouviu suas histórias, suas lutas. 

Eu me lembro dessa reunião como se fosse ontem e é por isso que estamos aqui hoje – o que isso significa para as famílias, o que isso significa para as famílias trabalhadoras, o que isso significa para essas crianças, disse Lamont. 

Lamont reconheceu os papéis das duas mulheres cruciais para a passagem da lei, Porter e Kushner, as co-presidentes do Comitê de Trabalho e Empregados Públicos. Mas depois ele se levantou para assinar o projeto sem que elas falassem. 

Eu não sei qual é o plano agora, mas é minha oportunidade, eu acho, de assinar uma lei, disse Lamont. 

“Ainda não”, disse Bysiewicz. 

“Ainda não!” Lamont disse rindo. “Você me diz quando. Estou pronto.” 

Bysiewicz introduziu Porter e Kushner. Ela também mencionou a importância da licença familiar e médica remunerada. 

“Que dia, que momento”, disse Porter, que falava apaixonadamente sobre mães solteiras que trabalham por um salário mínimo e administram uma casa. “Eu fui essa mãe, essa mãe solteira, criando dois filhos com três empregos.” 

Kushner, uma executiva aposentada do UAW e ex-líder do Working Families Party que fez do salário mínimo e da licença familiar as fundações de sua campanha ano passado para destituir um republicano conservador, disse: “Eu sei que isso não teria acontecido sem um movimento”. 

A lei aumentaria o mínimo de US$ 10,10 para US$ 11 neste outono, e então para US$ 12, US$ 13, US$ 14 e US$ 15 em aumentos anuais nos próximos quatro anos. 

Lamont assinou um fac-símile da lei com uma caneta, acrescentando um pós-escrito: “Finalmente!” Ele ignorou a pilha de pretensos souvenires, canetas de plástico baratas que seriam dadas aos partidários como lembranças, se ao menos ele as tivesse usado para assinar partes de sua assinatura, a prática típica nas assinaturas de leis. 

A caneta da assinatura foi entregue a Bysiewicz. 

Ela deu a Porter. 

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
June 6, 2019

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *