Recuperação Lenta de Preços de Casas e Empregos em CT

View this post in other languages: English, Español

Capa, Cover

Recuperação Lenta de Preços de Casas e Empregos em CT

By Jamie Kasulis | CTMirror.org

Os preços das moradias em Connecticut continuam subindo a um ritmo muito mais lento do que do resto do país, de acordo com dados recentes da Federal Housing Finance Agency.

Os preços das casas de Connecticut valorizaram 3,6% no último ano. Com uma valorização média nacional de 6,9% entre os primeiros trimestres de 2017 e 2018, Connecticut ocupa o 38º lugar, do 47º do ano passado.

O relatório mais recente da FHFA dá as médias nacionais e estaduais por estado das taxas de apreciação das casas ano a ano. As informações são coletadas com base nas transações de vendas e no refinanciamento de residências individuais unifamiliares hipotecadas pela Federal National Mortgage Association (“Fannie Mae”) ou pela Federal Mortgage Loan Mortgage Corporation (“Freddie Mac”).

As casas em todo o país têm valorizado constantemente desde 2012, superando os preços pré-recessão de meados de 2016. Enquanto isso, os preços das casas de Connecticut ainda não voltaram para onde estavam antes. A FHFA também calculou a apreciação nos últimos cinco anos, e aqui, Connecticut exibiu o crescimento mais lento — apenas 8%. A média nacional é de 34%.

Entre as áreas metropolitanas, Hartford está em sétimo lugar no ranking nacional. Os preços dos imóveis em Hartford aumentaram apenas 0,7% entre 2017 e 2018, mas diminuíram duas vezes esse valor entre janeiro e março deste ano. No extremo oposto está Boise City, Idaho, que lidera a nação com uma valorização de 15%, seguida por Las Vegas e Seattle.

Em seu relatório em vídeo, a FHFA destaca o aumento da demanda no mercado imobiliário como uma das principais razões para a valorização nacional, mas observa que ela agora parece estar diminuindo.

Don Klepper-Smith, economista-chefe da DataCore, caracterizou a demanda por moradias em Connecticut como sendo “branda” devido a anos de emigração, uma população que está envelhecendo e encolhendo, e um mercado de trabalho com lenta recuperação.

“A pesquisa é muito definitiva, mostrando que, como caminha a saúde do mercado de trabalho, também caminha — em geral — a saúde do mercado imobiliário”, explicou Klepper-Smith. Ele mencionou que Connecticut recuperou apenas 78% dos empregos perdidos na Grande Recessão, e que é o único estado de New England com menos de 100% de recuperação de empregos. Os números recentes da Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dos Estados Unidos também mostram que Connecticut perdeu 4.900 empregos entre fevereiro e abril deste ano, embora, no geral, isso esteja aumentando.

Com o modo como as coisas estão indo, Klepper-Smith prevê um aumento gradual nos preços das moradias em Connecticut e uma recuperação total do emprego no estado no início de 2020.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
June 20, 2018

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *