Reunir Crianças Imigrantes com Seus Pais? Não é Tão Fácil.

View this post in other languages: English, Español

Capa, Cover

Reunir Crianças Imigrantes com Seus Pais? Não é Tão Fácil.

By Ana Radelat | CTMirror.com

Depois de um dia visitando as instalações de imigração na fronteira do Texas, o senador Richard Blumenthal disse que “não há plano, não há estratégia” para reunir crianças imigrantes que foram separadas de seus pais indocumentados.

Blumenthal disse que visitou um abrigo temporário para crianças migrantes em Tornillo, Texas, que abriga cerca de 250 meninos migrantes em tendas, e um centro de detenção federal em El Paso, Texas, onde ele disse que foi “assombrado” pelos olhos de uma menina hondurenha de 2 anos de idade nos braços de seu pai.

Ele disse que pai e filha não sabiam o que está reservado para eles, e nem outros imigrantes que tiveram seus filhos levados embora.

“Há o mesmo tipo de caos e incerteza em todos os lugares”, disse Blumenthal.

Outros dizem que a administração Trump terá dificuldade em reunir todas as crianças imigrantes que foram separadas de seus pais na fronteira, especialmente porque muitos continuam detidos.

Mais de 2.300 menores foram separados de seus pais desde que o governo Trump impôs a política de “tolerância zero” mês passado, que pede a prisão de todos os imigrantes indocumentados.

O presidente Donald Trump assinou uma ordem executiva para encerrar as separações, mas não definiu o que fazer com as crianças que já foram detidas.

Blumenthal disse que as agências federais “têm um labirinto de regras conflitantes” sobre como lidar com a situação. Ele também disse que as agências têm sistemas diferentes. “E esses sistemas têm dificuldade em conversar uns com os outros”, disse ele.

‘Uma bagunça’

A Associated Press informou, citando um funcionário anônimo da administração Trump, que quase 500 crianças que foram separadas de seus pais na fronteira entre os EUA e o México foram reunidas desde maio. Não ficou claro quantas delas ainda estão detidas com suas famílias.

Alguns pais disseram a repórteres que não sabem onde estão seus filhos e não conseguem respostas das autoridades. Alguns dizem que as mães foram deportadas sem seus filhos, informou a AP.

Depois que uma família de migrantes é detida por funcionários federais da imigração, as crianças menores são inicialmente colocadas em uma instalação da Alfândega e Proteção de Fronteiras, os locais com cercas que parecem gaiolas, nas fotos das crianças recém-chegadas.

As crianças são então colocadas sob os cuidados do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (DHS), que também guarda a custódia de menores desacompanhados que chegam aos Estados Unidos.

A instalação de Tornillo, no Texas, que Blumenthal visitou, é uma instalação do DHS. O senador disse que o custo para acomodar as crianças em tendas nas instalações é “exorbitante”, cerca de US$ 2.000 por criança, por dia. “O custo em termos humanos é maior”, disse ele.

Para oferecer melhores alternativas, o Escritório de Reassentamento de Refugiados do DHS tem contratos com várias organizações sem fins lucrativos que encontram membros da família ou outros responsáveis para levar as crianças.

Uma dessas instalações é o Serviço de Apoio à Comunidade Noank, com sede em Groton, que obteve a custódia de uma criança que foi separada na fronteira devido à política da “tolerância zero”.

Regina Moller, diretora executiva do Serviço de Apoio à Comunidade Noank, disse que a criança está sendo devolvida a um dos pais que não está detido na fronteira.

O DHS diz que não haverá mais crianças enviadas para Connecticut que tenham pais detidos, disse Moller.

Suas instalações também cuidaram de um número de crianças desacompanhadas da América Central, lugar de onde a maioria dos imigrantes capturados na fronteira está vindo.

“Essas crianças deixaram seus países devido a ameaças severas e violência de traficantes a elas, aos bebês de mães adolescentes ou à sua família”, diz a instalação Noank. “Eles testemunharam assassinatos e outras atrocidades que nenhuma criança deveria vivenciar.”

Um problema em reconectar as crianças separadas com seus pais é que centros como o Serviço de Apoio à Comunidade Noank não podem libertar as crianças com pais encarcerados, mesmo quando o governo Trump espera que um juiz modifique um decreto de consentimento de 1997 que permitirá que as crianças fiquem encarceradas por longos períodos para que possam ficar detidas com seus pais.

Aleksandr Troyb, ex-presidente da seção de Connecticut da Associação Americana de Advogados de Imigração, disse que reunir filhos de imigrantes com os pais “se tornou uma bagunça”.

Troyb disse que acha que é por isso que “o governo Trump tem sido reservado” sobre as reunificações.

“Este é um mundo totalmente novo agora”, disse ele. “Mas era completamente previsível o que iria acontecer.”

John Jairo Lugo, um defensor da imigração com a Unidad Latina en Accion de New Haven, disse que sua organização tentou reunir algumas das crianças separadas com membros da família nos Estados Unidos e ficou frustrada com a falta de resposta do DHS.

“Eles só querem separar as famílias”, disse Lugo. “E querem despedaçar as almas dessas pessoas.”

Com os centros de detenção federais lotados, o governo Trump planeja usar bases militares norte-americanas para abrigar os imigrantes.

Blumenthal disse que, como membro do Comitê de Serviços Armados do Senado, ele “se oporá vigorosamente a esse plano”.

“Adicionar ao seu fardo estas vastas cidades de tendas… seria intolerável”, disse Blumenthal.

Os representantes Joe Courtney, 2º Distrito, Rosa DeLauro, 3º Distrito, Jim Himes, 4º Distrito, e Elizabeth Esty, 5º Distrito, também foram a fronteira EUA-México neste fim de semana para visitar as instalações de imigração e crianças detidas.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
July 6, 2018

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *