Através dos Olhos de uma Criança

View this post in other languages: English, Español

Crianças E Família

Através dos Olhos de uma Criança

By Anne E. Mead, Ed. D.

Hoje, tive o prazer de me sentar com um grupo de crianças em idade pré-escolar que estavam entusiasmadas com a próxima viagem com o corpo de bombeiros. Enquanto os bombeiros não chegavam, perguntei às crianças por que elas estavam agradecidas. Crianças nessa idade podem ser muito egocêntricas. Elas pensam principalmente sobre experiências passadas recentes, como agradecer por seu café da manhã e suas mães levando-as a escola. Conforme falávamos sobre o significado de “agradecer”, elas começaram a falar sobre comida, por exemplo, biscoitos e sorvetes. Eu disse que era grata por minha casa e minha família. Esse comentário provocou respostas adicionais do tipo: “minhas irmãs”, “eu tenho lençóis novos e eles são muito confortáveis quando durmo neles”, “minha casa azul com listras cinza”, “minha casa nova e minha mãe cozinhando” e por fim, “minha casa no quinto andar; eu pego um elevador para chegar até ela”. Ser capaz de ouvir pelo que as crianças são gratas no mundo de hoje mostra a inocência que elas possuem. A maioria delas não está realmente ciente da turbulência do mundo atual e de como isso afeta muitas famílias e seus filhos em Danbury e em outras áreas do país.

O Dia de Ação de Graças é um momento para refletir sobre tudo de bom no mundo e os familiares que nos cercam. É importante pensarmos nos menos afortunados do mundo e em como suas famílias são afetadas. Como adultos, sabemos o que está acontecendo, mas com seus olhos de crianças, elas não sabem. O senso de inocência e preocupação com os outros é o que deve ser estimulado em todas as crianças. Na última edição do Jornal Tribuna, escrevi sobre o desenvolvimento da empatia em crianças. Não apenas deveríamos estar ensinando isso aos pequenos, como também devemos encorajar um senso de admiração e a capacidade de sermos observadores, ambos ajudando a desenvolver a apreciação. O livro de Norman Juster, The Hello, Goodbye Window, é um exemplo perfeito de como ter essas qualidades enriquece a vida de uma criança. Com base em uma criança que fica com seus avós enquanto seus pais trabalham, Juster e o ilustrador Chris Raschka criaram o livro perfeito, uma viagem de descoberta e uma celebração das maravilhas comuns que definem as crianças. Não apenas a história é linda, mas os comportamentos observadores da criança se perguntando sobre o que a cerca também são surpreendentes.

Ajudar as crianças a desenvolverem essa sensação de ser observador é o começo para tornar-se ciente dos outros e do que está acontecendo ao seu redor. À medida que elas crescem e aprendem, desenvolver uma consciência do bem e do mal é útil. E essa consciência ajuda a desenvolver um senso de apreciação e gratidão. Esses atributos desenvolvidos no início da vida dão aos pais a oportunidade de falar sobre o certo e o errado e expõem o comportamento moral. Combinar o comportamento moral com o ser observador beneficia as crianças a verem o que está acontecendo no espaço ao seu redor e descrever e relatar algo que não parece certo. Com todos os eventos bons e ruins acontecendo no mundo em que vivemos, se pudéssemos ver a bondade do mundo através dos olhos de uma criança, poderíamos nos manter enquanto nos preparamos para as próximas férias. Feliz Dia de Ação de Graças para todos os nossos leitores.

Anne E. Mead, Ed. D. é administradora dos Programas de Educação Infantil e Aprendizagem Extendida das Escolas Públicas de Danbury. Se você tiver alguma dúvida, não hesite em contatá-la pelo telefone 203-830-6508 ou meadan@danbury.k12.ct.us.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
November 21, 2018

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *