Criando Tradições para as Festas de Fim de Ano Através de Histórias e Alimentos

Veja esta matéria em: English, Español

Crianças E Família, PAIS & FILHOS

Criando Tradições para as Festas de Fim de Ano Através de Histórias e Alimentos

By Anne Mead | Tradução: Fernanda Magrini Sinha

Quatro anos atrás, anunciei as minhas filhas com 30, 26 e 24 anos que eu estava pensando em não fazer todos os acompanhamentos da refeição do dia de Ação de Graças e apenas fazer legumes assados. Eles são mais saudáveis e tão gostosos. “O quê, mãe?”, uma filha perguntou. “E o purê de batatas?”, enquanto outra disse: “Nada de torta de milho?” Foi nesse momento que percebi que meu marido e eu havíamos desenvolvido algumas tradições familiares muito especiais. Minha própria mãe era famosa pelo tradicional jantar de Ação de Graças e, desde então, adicionamos alguns pratos novos. Também acrescentamos histórias de família.

Na década de 60, quando eu era pequena, lembro da minha avó nos dizendo que tivemos a sorte de ter legumes frescos para o jantar de Ação de Graças. Vovó nos disse que durante a guerra legumes enlatados eram muitas vezes o único tipo disponível. Mais tarde, nos anos 1970, ajudando minha mãe a preparar o jantar, ela enfatizou a importância dos legumes frescos e me lembrei da história da vovó sobre legumes enlatados.

Uau!! Os tempos mudaram. O que não mudou são as ótimas histórias que podem ser transmitidas de geração em geração. Estas não são histórias escritas, mas contadas por avós, tias, tios, sobre as memórias familiares. Meus netos frequentemente me pedem para lhes contar histórias sobre quando eu estava crescendo e o que fazia quando era criança.

Eu amo relembrar o que meus amigos e irmãos faziam quando eram mais jovens. Algumas das minhas histórias detalham momentos difíceis de se dar bem com os outros enquanto outras contam histórias sobre as aventuras de um dia com minhas amigas e nossos cavalos. Muitas das histórias descrevem minha vida crescendo como a criança mais velha da família, liderando a procissão do bairro, interpretando o professor em nossa peça na escola/em casa ou me tornando uma policial.

Comece compartilhando uma ou duas coisas que você se lembra sobre sua família. Contar histórias durante as refeições com a família é mais fácil. Com as festas de fim de ano chegando e as famílias se reunindo, comece a compartilhar suas histórias. Chame todas as crianças para ouvi-las. Essas histórias não têm roteiros a serem seguidos ou imagens a serem vistas. Em vez de histórias crie um quadro do passado na mente do ouvinte.

Não importa quando ou onde contamos as histórias, nada é necessário além de bons ouvintes e uma mente aberta. Contar histórias só nos custa tempo, e ajuda a proteger e aproximar os membros da família. Elas ajudam as famílias a se lembrarem e perceberem as lutas que superaram, as celebrações alegres e os tempos tristes que passaram. Contar histórias cria ricas narrativas da história da família, suas tradições e culturas e lições de vida. Qual será sua primeira história?

 

Anne E. Mead, M. Ed., é administradora dos Programas de Educação Infantil e Extensão de Aprendizagem das Escolas Públicas de Danbury. Se você tiver alguma dúvida, não hesite em contatá-la em 203-830-6508 ou meadan@danbury.k12.ct.us.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
December 2, 2016

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *