O Papel dos Medicamentos Prescritos na Crise dos Opiáceos

Veja esta matéria em: English, Español

FIQUE ESPERTO/PASSE ADIANTE

O Papel dos Medicamentos Prescritos na Crise dos Opiáceos

By Jonathan A. Harris - Tradução: Fernanda Magrini Sinha

Vários anos atrás escrevemos um artigo para a coluna “Fique Esperto – Passe Adiante” abordando a importância de descartar com segurança medicamentos prescritos vencidos ou não utilizados. Naquela época, a principal preocupação era que os medicamentos não utilizados, especialmente os opiáceos, pudessem cair nas mãos de crianças jovens e curiosas que poderiam ser acidentalmente envenenadas ou em lares com mais gerações, os membros mais velhos da família poderiam ficar confusos sobre quais medicamentos deveriam tomar. Além disso, a principal causa de intoxicações de animais de estimação é a ingestão acidental de medicamentos humanos.

Desde então, o diálogo público e político mudou. Com a crise dos opiáceos atingindo as famílias em Connecticut e em todo o país, tornou-se cada vez mais claro que os opiáceos não descartados contribuíram significativamente para ela.

Em qualquer família onde houve uma grave queda, doença, cirurgia ou tratamento de câncer, é provável que você encontre medicamentos não utilizados e vencidos no armário de remédios do banheiro. Todos nós já fizemos isso. Esquecemos que eles estão lá, pensamos que podemos precisar deles novamente, já não estamos cobertos pelo plano de saúde e estamos acumulando medicamentos, “caso precise”, ou porque achamos que alguém pode precisar deles algum dia.

Infelizmente, os medicamentos prescritos tornaram-se alvo de roubo e uso indevido. Os jovens de 12 a 17 anos dos EUA fizeram dos medicamentos prescritos a principal substância de abuso de sua faixa etária, e grande parte dessa oferta é involuntariamente proveniente dos armários de remédios de seus pais, avós e amigos. Nossos armários de remédios tornaram-se o traficante de drogas número um para muitos adolescentes.

Os opiáceos não utilizados são normalmente descobertos por adolescentes curiosos que podem assumir que se eles são “medicações”, podem ficar altos, mas não se tornarão viciados. Ninguém toma a decisão de se tornar um viciado em opiáceos. Mas as famílias contribuem involuntariamente para o problema deixando-os facilmente disponíveis.

Segue abaixo algumas maneiras de proteger sua família do uso acidental ou impróprio de medicamentos:

  • Descubra quando sua cidade terá um evento de coleta de medicamentos.

Muitas cidades organizam um dia de coleta de medicamentos para ajudar as pessoas a descartarem com segurança os medicamentos não utilizados. Ligue para o departamento de polícia local para descobrir quando será o próximo evento. Quando souber a data e a localização, avise seus amigos, familiares e vizinhos — você pode multiplicar seus esforços organizando e ensinando-lhes a importância do descarte seguro de medicamentos!

  • Visite nosso site para ver se o departamento de polícia local tem uma caixa de descarte de medicamento.

Pode ter certeza de que os medicamentos não utilizados que você levar serão destruídos de forma legal. A vantagem de usar a caixa de descarte do departamento de polícia é que não existe chance de que um indivíduo não autorizado acesse ou roube os remédios. Se sua cidade não tem uma caixa de descarte, informe o departamento de polícia que você acha que é um serviço importante para oferecer à sua comunidade. Avise os outros e incentive-os também.

Saiba como descartar com segurança os medicamentos em casa.

A eliminação adequada de medicamentos não utilizados e vencidos é crucial para deter a crise dos opiáceos. Educar os jovens sobre os perigos do uso indevido de drogas prescritas e suas consequências pode salvar suas vidas e as vidas das pessoas que eles conhecem.

Lembre-se, seja inteligente e passe adiante para os membros da família, vizinhos e amigos!

 

Para obter uma lista de medicamentos e os melhores métodos de descarte, consulte o Programa de Monitoramento de Prescrição do Departamento de Proteção ao Consumidor de Connecticut em ct.gov/dcp/pmp. Você também pode verificar em nosso site para ver se sua cidade participa do programa Caixa de descarte, ou quando acontecerá um evento de Coleta de medicamentos day.www.dcp.gov.

 

Este artigo foi escrito por Jonathan A. Harris, comissário do Departamento de Proteção ao Consumidor do Estado de Connecticut. Para saber mais sobre como o Departamento de Proteção ao Consumidor pode ajudar, visite-nos on-line em www.ct.gov/dcp.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
February 9, 2017

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *