Série Diálogo com a Comunidade – Parte II  Chefe de Polícia de Danbury Patrick Ridenhour Fala Sobre o ICE

Veja esta matéria em English, Español

Capa, Imigração

Série Diálogo com a Comunidade – Parte II Chefe de Polícia de Danbury Patrick Ridenhour Fala Sobre o ICE

By Emanuela Palmares & Equipe Tribuna

Nota da Editora: A história a seguir é a segunda de uma série de três partes cobrindo um diálogo de duas horas da comunidade com o prefeito Mark Boughton, o chefe de polícia de Danbury, Patrick Ridenhour, e o superintendente-adjunto das escolas, Dr. Bill Glass, sobre imigração e relações comunitárias. Continuamos a série com a transcrição da resposta do chefe Ridenhour à pergunta feita no painel: “O que significa uma possível parceria entre o ICE e a cidade de Danbury para nossa comunidade de imigrantes?”

“Vários meses atrás, quando me reuni com os pastores, nosso tópico de conversa era como nosso departamento poderia trabalhar melhor com a comunidade e nos aproximarmos dela. E eu diria que, apesar de tudo, esse ainda é o foco principal do Departamento de Polícia de Danbury. Eu estava em um grupo de jovens outro dia e tinham várias crianças lá, estávamos falando sobre assuntos diversos e eu disse: ‘Você pode me perguntar o que quiser’. Um dos alunos me perguntou: ‘É verdade que os policiais estavam indo nas casas e levando as pessoas para serem deportadas?’
Obviamente, a resposta para isso é não, porque isso não está acontecendo. Compreendo o verdadeiro medo e preocupação que as pessoas têm com o sistema. Como disse o prefeito, temos que seguir a lei e faremos o nosso melhor para trabalhar com nossas comunidades — novamente, seguir o Trust Act. O Trust Act realmente se aplica a detenções civis simples e o que podemos e não podemos fazer, no que diz respeito a várias detenções do ICE. Mas se houver mandados judiciais, temos que seguí-los. Em termos do que vem de Washington, ainda é uma coisa em evolução. Não fomos contatados pelo ICE ou solicitados para qualquer parceria neste momento específico. Quando isso acontecer, então descobriremos qual é a melhor maneira de fazê-lo.
Eu sei que na ordem executiva diz que existe alguma margem de manobra para adaptá-la às comunidades individuais. [Quanto a] o que isso significaria para Danbury mais a frente, eu acho que vamos esperar e ver. Eu não acho que temos muitas respostas definitivas para você, além do fato de que vamos continuar como temos feito nos últimos anos.”
Durante o período de perguntas e respostas, a advogada Juliana Zach perguntou ao chefe Ridenhour sobre a implementação do Trust Act: “Desde que comecei a atuar aqui em Connecticut antes do Trust Act, qualquer pessoa que fosse presa era levada a uma prisão, mesmo que fosse um delito menor. Após o Trust Act, notei que as coisas ficaram muito mais brandas e vários clientes meus estavam apenas pagando sua conta e, depois, respondendo ao processo e, às vezes, até mesmo vivendo suas vidas. Minha pergunta é se isso continuará como está ou veremos alguém que está preso sendo mantido sob custódia?”
O prefeito Mark Boughton respondeu: “Se colocarmos o seu nome no sistema de dados e houver algo lá, digamos que queremos deter esta pessoa por um ato criminoso, então faremos isso. Cumpriremos esse mandado, desde que se enquadre no Trust Act… nas categorias de detenção que estão lá. Para responder a sua pergunta, nada mudará da maneira como vemos. É o mesmo processo. Não há novos processos. Chefe?”
 

Chefe Ridenhour acrescentou: “Praticamente qualquer pessoa que tenha sido presa talvez por algo como uma violação de trânsito, um delito menor, ou qualquer tipo de delito, pode se sentir um pouco mais segura. Não que estejamos incentivando alguém a cometer um delito, mas é mais seguro para ele ou ela do que alguém que cometeu um crime”.

A advogada Zach fez uma segunda e muito importante pergunta: “A minha preocupação é que sempre tenho orientado meus clientes vítimas de crime, a apresentarem-se e pedirem ajuda à polícia. Eu acho que é nosso trabalho como qualquer um na comunidade lhes dizer: ‘Se você está em perigo, chame a polícia’. Eu nunca encontrei alguém que tenha tido qualquer problema se apresentando à polícia, quando há vítimas de um crime pedindo um novo visto. Isso sempre foi muito suave, mas as pessoas ainda têm medo de que se elas se apresentarem como vítimas de crime, não terão assistência ou serão presas, porque podem não ter seus documentos. Você pode nos dizer algo sobre isso?”
Chefe Ridenhour reiterou: “Simplificando, esse não é o caso. Nós investigamos todas as queixas e tentamos ajudar as vítimas de crime, portanto sua situação não nos importa. E nos sentimos, como eu disse, nos sentimos mais honrados quando usamos o programa, quando ele se encaixa nos critérios e na maioria das vezes ele se encaixa. Por isso, temos sido muito eficazes em processá-los.”

Em nossa próxima edição, apresentaremos a transcrição de partes do longo período de perguntas e respostas e focaremos no Dr. Bill Glass e como ele acredita que a questão do ICE tem impactado os alunos e as famílias no distrito, com dicas úteis para os pais e responsáveis para protegerem seus filhos.
Para saber mais sobre o Trust Act, visite este link: https://www.cga.ct.gov/…/pdf/2013PA-00155-R00HB-06659-PA.pdf.

Para assistir ao vídeo completo da reunião, visite a página do Tribuna no Facebook ou use este link do nosso site: http://tribunainenglish.com/news/community-meeting-on-ice-and-the-city-of-danbury/.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
March 23, 2017

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *