Não Tenha Medo de Pedir Ajuda

View this post in other languages: English, Español

Imigração, Imigração, Noticia

Não Tenha Medo de Pedir Ajuda

By William Hennessy, Esq.

Este será o primeiro de dois artigos com base em um tipo de caso em que eu trabalho com frequência.

Maria (nome fictício) vem ao meu escritório para uma consulta. Ela estava em um relacionamento abusivo em seu país de origem. Primeiro ela tentou se afastar de seu marido ficando com amigos ou familiares em outra cidade, mas ele sempre a encontrava e não permitia que ele o deixasse, quando ela voltava para casa, o abuso continuava. Ela tentou pedir ajuda à polícia, mas eles disseram que não “se meteriam entre um homem e sua esposa”. Muitos anos atrás, ela fugiu para os Estados Unidos. Depois de algum tempo, seu marido a convenceu de que ele tinha mudado e disse a ela para enviar dinheiro para que ele pudesse se juntar a ela nos EUA. Ela concordou porque ele disse que ela era dele e eles deveriam ficar juntos. Ela fez isso e, eventualmente, o abuso começou novamente. Ela não foi à polícia aqui porque era “ilegal” e não queria ser presa. Ela fugiu de volta para seu país de origem, ele a seguiu, ela tentou se esconder em casa, ele a seguiu e ainda assim a polícia não ajudou. Finalmente, ela decidiu voltar para a América. Quando atravessou a fronteira, as autoridades dos Estados Unidos a pegaram. Ela agora está presa e pergunta o que posso fazer por ela.

Analisando este caso, sei que houve pelo menos duas vezes no passado de Maria que ela poderia ter perguntado aos EUA e duas vezes que seu sofrimento poderia ter sido evitado. A primeira foi quando ela entrou pela primeira vez nos EUA e a segunda quando foi abusada por seu marido enquanto estava nos Estados Unidos (isso será falado no próximo mês).

Maria era elegível a asilo da primeira vez que entrou, e é elegível agora. Para ser concedido asilo, uma pessoa deve mostrar que ela: tem medo de voltar ao seu país; foi ou será prejudicada se voltar; que ela foi lesada porque faz parte de um “grupo social particular”; que seu governo causou dano ou não controla aqueles que o causam; e que não existe nenhum lugar no país de origem que o candidato estará seguro.

Maria poderia ter mostrado tudo isso quando entrou nos EUA. Ela sofria abuso de seu marido e poderia mostrar fotos e cartas de amigos e familiares para provar isso. Seu marido batia nela porque ela era uma mulher que ele via como sua propriedade e não permitia que ela saísse do relacionamento. Os tribunais reconhecem isso como um “grupo social particular”. A polícia em seu país se recusou a ajudá-la porque não se envolveria com um homem e sua esposa, o governo não a protegeu, finalmente ela mostrou que ela tentou fugir do marido em seu país de origem antes de chegar a América.

Se você, ou outra pessoa que você conhece, está nos Estados Unidos indocumentado e teme retornar ao seu país de origem por qualquer motivo, entre em contato com um advogado de imigração e veja se você é elegível a pedir asilo.

William T. Hennessy, Esq, é advogado há dez anos. Ele abriu recentemente um escritório em Danbury Connecticut e está ansioso para ajudar a comunidade onde ele cresceu.

Se você tiver alguma dúvida, fique à vontade para contatá-lo a qualquer momento pelo telefone (475) 329-5387, e- mail: WHennessyEsq@gmail.com ou website WHennessylaw.com

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
December 26, 2017

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *