Conferência em Danbury Destaca Problemas de Pobreza e Estresse em Crianças Locais

view this post in other languages: English, Español

Capa, Noticia

Conferência em Danbury Destaca Problemas de Pobreza e Estresse em Crianças Locais

By Ryan V. Stewart

Em 23 de janeiro, a Promise for Children Partnership (DPCP) de Danbury, em cooperação com a United Way of Western Connecticut (UWWC), organizou um evento focado nos efeitos das dificuldades financeiras familiares e do estresse na saúde e no desenvolvimento de crianças. Chamada de “Community Report Out”, a conferência foi realizada na Sala Comunitária da sede da polícia de Danbury, e enfatizou as desvantagens enfrentadas pelas crianças de oito anos ou menos de famílias de baixa renda que vivem na área de Danbury.

Essas desvantagens vêm de várias formas: “A exposição prolongada ao estresse pode causar alterações no cérebro, o que pode levar a problemas de aprendizagem, de saúde e assim por diante”, observou o Dr. Gabriel Lomas, professor de psicologia educacional da Western Connecticut State University em Danbury, que falou no evento. “O estresse tóxico pode ser incapacitante e pesquisas mostram que experiências adversas na infância podem causar resultados negativos a saúde na idade adulta”, explicou Lomas.

Lomas, que recebeu seu Ph.D. em orientador educacional e psicologia escolar na Universidade do Texas em San Antonio, passou uma parte de sua carreira pesquisando o bem-estar infantil, aconselhamento em crise e testes psicológicos; convidado pelo Community Report Out, ele falou como e por que o estresse pode passar de uma fonte emocional natural de motivação para uma causa de debilitação e atrofia psicológica, caso em que é considerado “tóxico”. Em um e-mail, ele escreveu: “O [estresse] pode tornar o estudo, o trabalho e assim por diante mais difíceis. E também pode prejudicar as pessoas… Quando o estresse resulta nessas consequências negativas, é considerado tóxico”.

Megan Chrysler, coordenadora do DPCP, expressou preocupações semelhantes ao falar na conferência: “Os dados [locais] dizem que, apesar do baixo desemprego em Danbury, nossas famílias ainda lutam… para atender às necessidades básicas da vida, e nossos alunos que enfrentam desvantagens no início, muitas vezes lutam para superá-las. Viver em um ambiente estressante pode causar um grande impacto em uma mente jovem em desenvolvimento”.

O desemprego entre os adultos de Danbury nos últimos anos tem diminuído em geral, e a pobreza entre seus residentes é relativamente incomum em comparação com as condições de vida em outros municípios de Connecticut — os residentes de Bridgeport estão quase duas vezes mais propensos a serem pobres do que aqueles vivendo em Danbury, por exemplo. No entanto, as estatísticas mais recentes sobre o empobrecimento das famílias na cidade ainda são consideráveis: de acordo com o Departamento do Censo dos Estados Unidos, desde 1º de julho de 2016, 11,2% dos moradores de Danbury vivem na pobreza e quase 30% com 16 anos ou mais não estão no mercado de trabalho; além disso, uma porcentagem ainda maior da população provavelmente é classificada como realmente desempregada.

O DPCP também salienta sobre algumas das lutas da cidade: no seu último Boletim Comunitário (2016-2017) sobre os jovens de Danbury, um resumo anual observa que cerca de 32% dos filhos dos moradores da cidade nasceram no estrangeiro e cerca de 45% falam um idioma diferente do inglês em casa, e “enfrentam barreiras linguísticas e educacionais” e que, embora Danbury desfrute de um taxa média de desemprego menor, cerca de 35% de seus residentes ainda lutam para pagar as necessidades básicas. O relatório também enfatiza que para as quase 84.000 pessoas que chamam Danbury de casa, a renda familiar média é de US $66.676, que é menor que a média do estado de US $70.331; 13,1% da população não possui diploma do ensino médio; e o número de famílias da cidade com crianças menores de cinco anos que vivem abaixo do nível da pobreza é de quase 10%. As crianças de Danbury, definidas como residentes menores de 18 anos, são 45,2% de origem hispânica ou latina, e 6,8% de origem negra ou afro-americana — tradicionalmente mais propensas a serem desfavorecidas economicamente do que suas contrapartes brancas.

No entanto, há muitos motivos para termos esperança nas crianças dos menos afortunados, já que organizações como a DPCP e a UWWC fazem isso: a primeira, um esforço colaborativo destinado a garantir que as crianças de Danbury com oito anos ou menos tenham os recursos necessários para prosperarem educacionalmente, mantendo um padrão elevado de saúde, é uma iniciativa que oferece numerosos serviços sociais às famílias e educadores locais; a última, em parceria com a DPCP, é uma organização sem fins lucrativos que presta apoio a indivíduos empregados — particularmente chefes de famílias e outros “provedores” — com ativos limitados e baixos rendimentos que vivem na região oeste de Connecticut.

O Dr. Lomas tem uma opinião favorável sobre os programas da UWWC: “Estou realmente impressionado com a quantidade de trabalho que a UWWC e as partes interessadas da área realizam”, escreveu ele. “Se alguém revisar seu relatório, é claro que há uma abundância de programação acontecendo”.

O “relatório” que Lomas fala vem junto com o boletim de avaliação acima mencionado da DPCP.

“Examinar os dados nos mostra as condições existentes… Sabemos que as famílias estão lutando e trabalhamos juntas para combater os efeitos negativos dessa luta”, disse Kimberly Morgan, CEO da UWWC, bem como co-presidente do comitê diretor do DPCP. “Este dado fornece uma base para construir nossas estratégias de trabalho e nossos esforços colaborativos ajudam a ampliar nosso alcance e recursos”.

O Dr. Lomas concordou no relatório: “Precisamos garantir que as crianças tenham oportunidades para se tornarem adultos bem-sucedidos. Podemos fazer isso, fornecendo programas comunitários que as mantêm fora das ruas. Acredito que as escolas devem oferecer café da manhã e almoço gratuitos para todas as crianças. Os programas depois da escola que são educacionais, divertidos e estruturados devem… oferecer assistência ao trabalho escolar e recreação… Isso daria às crianças um lugar para irem quando seus pais não estão disponíveis”.

Você pode entrar em contato com a Promise for Children Partnership de Danbury através do programa Community Messenger, que tem como objetivo fornecer informações detalhadas sobre programas locais de apoio aos pais, através do seu site, www.danburypromiseforchildren.org. Lá, você também pode encontrar um diretório comunitário, que ajudará a orientá-lo sobre os recursos locais apropriados.

Você pode entrar em contato com a United Way of Western Connecticut em: www.uwwesternct.org.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
February 9, 2018

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *