Malloy Nomeia Juízas de Origem Ásia-Pacífica e Portuguesa para o Tribunal de Apelações

Veja esta matéria em: English, Español

Noticia, Política

Malloy Nomeia Juízas de Origem Ásia-Pacífica e Portuguesa para o Tribunal de Apelações

By Mark Pazniokas | CTMirror.com |Tradução: Fernanda Magrini Sinha

O governador Dannel P. Malloy nomeou as juízas Nina F. Elgo de West Hartford e Maria Araujo Kahn de Cheshire ao Tribunal de Apelações, preparando o cenário para que as mulheres se tornem maioria no segundo maior tribunal de Connecticut pela primeira vez.

Os marcos jurídicos que Malloy pode reivindicar após seis anos como governador incluem nomear a maioria do Supremo e os Tribunais de Apelação, ao mesmo tempo em que amplia a diversidade racial e de gênero em todo o sistema judicial.

As mulheres representam apenas 35% dos juízes do Tribunal Superior, enquanto 40% dos candidatos de Malloy são mulheres. Em geral, 30% é minoria, o dobro da porcentagem de seus dois predecessores imediatos.

“Cerca de 52% da nossa população são mulheres”, disse Malloy. “Chegar a 40% é uma coisa boa.”

Malloy disse que o objetivo continua sendo encontrar candidatos qualificados que, eventualmente, ajudarão o sistema judicial a refletir a população de Connecticut.

As candidatas mais recentes de Malloy são juízas de instrução, cada uma nomeada para o Tribunal Superior por seus dois predecessores republicanos imediatos: Elgo por John G. Rowland em maio de 2004; Kahn por M. Jodi Rell em abril de 2006.

As atribuições anteriores de Elgo incluem juíza presidente do programa de proteção à criança em todo o Estado de Middletown, da divisão juvenil em New Haven e dos tribunais criminais de Hartford e Enfield. Ela é graduada na Faculdade de Connecticut e no Centro de Direito da Universidade Georgetown.

Filha de pais filipinos, Elgo é a primeira juíza americana do Pacífico Asiático em Connecticut e será a primeira no Tribunal de Apelação.

Juízes e advogados que praticaram nos tribunais de família, onde casos difíceis envolvendo direitos dos pais são litigados, têm atraído cada vez mais pais descontentes e outros críticos em longas audiências de confirmação perante o Comitê Judiciário do Legislativo.

“Temos um sistema judicial. Ele é solicitado a fazer coisas difíceis de vez em quando”, disse Malloy. “O que eu peço é que seja feito com grande respeito pelos indivíduos que aparecem diante deles, e eu sei que essas duas têm essa reputação.”

Atualmente, Kahn é co-presidente da Comissão de Acesso à Justiça e do Comitê de Proficiência em Inglês Limitado e é membro da Divisão de Revisão de Sentenças do Tribunal Superior. Ela também é mentora de outros juízes. Ela é graduada pela Universidade de Nova York e pela Faculdade de Direito da Universidade Fordham.

Kahn nasceu na África de pais portugueses.

Elgo e Kahn sucederão F. Herbert Gruendel, que se aposentou, e Robert E. Beach Jr., que agora tornou-se sênior.

Com a elevação das duas juízas aguardando a confirmação do legislador, o sistema do Tribunal Superior terá cerca de 40 vagas, um percentual considerável em um sistema com 185 posições autorizadas, disse Malloy.

Por causa da situação fiscal, disse Malloy, ele preencherá apenas um número limitado dessas posições.

Eric D. Coleman de Bloomfield, que se demitiu do Senado em janeiro para buscar uma indicação judicial, está no grupo de candidatos aprovados pela Comissão de Seleção Judiciária, de acordo com uma fonte no Capitólio.

Os governadores só podem escolher candidatos para os tribunais Superior, Apelação e Supremo que tenham sido entrevistados e aprovados como qualificados pela comissão.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
May 12, 2017

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *