View This Post In: English, Spanish

Noticia, Política

Manifestantes Bloqueiam a Main Street em Hartford Contra a Resolução Sobre Imigração

By Kyle Constable – CT Mirror

 

Poucos dias depois que uma decisão do Supremo Tribunal dos EUA invalidou o plano da Casa Branca para proteger da deportação milhões de imigrantes que vivem nos Estados Unidos, mais de 150 manifestantes se reuniram em frente ao escritório de Imigração Federal do Estado em Hartford e bloquearam uma parte da Main Street.

Os manifestantes esperavam enviar uma mensagem para os agentes federais da imigração: Sem deportações.

A polícia prendeu nove manifestantes — sete homens e duas mulheres — por conduta desordenada depois de levantarem uma bandeira que ocupava a maior parte do comprimento da Main Street e dizia: “Sem DAPA? Sem deportações”. Os manifestantes foram levados um a um, e a cada um foi oferecido a oportunidade de deixar pacificamente o local antes de serem presos. DAPA, que significa Ação Deferida para Pais de Norte-americanos e Residentes Permanentes Legais, é um componente das ações executivas do presidente Barack Obama para amenizar as deportações que o Supremo Tribunal invalidou em 23 de junho. Ele inicialmente anunciou o programa em novembro de 2014.

Os organizadores estimam que estavam presentes entre 150 e 175 manifestantes alinhados na rua logo após as 16:00. A polícia demorou cerca de 45 minutos para retirar todos os nove manifestantes da rua depois de dar muitas advertências para que eles saíssem do local.

Os oficiais redirecionaram o tráfego para os cruzamentos próximos perto do Abraham Ribicoff Federal Building — onde o Serviço de Imigração e Controle de Alfândegas tem escritório em Connecticut. Embora as autoridades policiais soubessem do protesto planejado, eles não sabiam que os manifestantes planejavam bloquear a rua.

“Nós não sabíamos que eles fariam qualquer tipo de ação que os levassem a prisões”, disse Brian Foley, chefe adjunto da polícia de Hartford, porta-voz do departamento. “Nós os advertimos em espanhol e em inglês para saírem da rua”.

“Provavelmente, verificando suas histórias, eles nos darão a promessa de aparecer (no tribunal)”, disse Foley, acrescentando que o departamento não tem planos de verificar seu status de imigração.

O evento, organizado pela Connecticut Immigration Rights Alliance, realizou protestos nas principais cidades de todo o país após o empate de 4-4 Estados Unidos vs. Texas da Suprema Corte. A decisão — ou a falta dela — teve o efeito de deixar intacta a decisão de um tribunal inferior que invalidou as ordens executivas do Obama destinadas a proteger os imigrantes sem documentos que têm crianças legalmente morando nos EUA ou que chegaram antes de completarem 16 anos de idade.

A decisão afeta cerca de quatro milhões de imigrantes sem documentos.

A decisão da Suprema Corte contra o DAPA era pessoal para muitos dos manifestantes. “Nós, obviamente, não gostamos da decisão porque milhares de pais sem documentos aqui em Connecticut eram elegíveis”, disse Jose Diaz, 23 anos de idade, morador da Nova Inglaterra. “Agora eles terão mais medo de sair por causa desta decisão”.

Diaz veio do México para os Estados Unidos quando tinha 10 anos. Ele morou na Geórgia por quatro anos antes de se mudar para Connecticut aos 14 anos. Ele é graduado pela New Britain High School e Capitol Community College, e espera formar-se na Central Connecticut State University ano que vem.

Sua mãe, que ainda vive na Geórgia, seria elegível para uma autorização de trabalho sob a DAPA.

“Minha mãe poderia ter realmente conseguido isso”, disse Diaz. “Ela conseguiria trabalhar e ter um emprego melhor, para que pudesse criar meu irmão mais novo, que tem 10 anos de idade e é cidadão americano”.

Para ser elegível para o programa, o trabalhador teria de ter vivido nos Estados Unidos continuamente desde 1º de janeiro de 2010, e ter um filho que seja residente legal do país no momento em que o programa foi anunciado em 2014. Aqueles condenados por um crime, contravenção significativa ou três ou mais contravenções foram impedidos da elegibilidade. Aqueles considerados uma ameaça para a segurança nacional também eram inelegíveis.

Os opositores desafiaram os programas de Obama no tribunal rapidamente, e um juiz federal em Brownsville, Texas, emitiu uma liminar em fevereiro de 2015. O Quinto Circuito da Corte de Apelações de Nova Orleans confirmou a liminar em novembro de 2015.

A decisão do tribunal também coloca a Ação Diferida para Chegadas na Infância, ou DACA, em perigo. Este programa permitiu que imigrantes sem documentos que tinham menos de 16 anos de idade e que entraram no país antes de junho de 2007 se candidatassem as licenças de trabalho renováveis por dois anos, e a isenção de deportação. O governo Obama prorrogou essa data até junho de 2010 ao expandir o programa.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
July 14, 2016

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *