O Maior Estraga-Prazeres das Férias: Infertilidade

Clique nesse post English, Espanol

O Que Você Deve Saber

O Maior Estraga-Prazeres das Férias: Infertilidade

By Lisa Schuman

 

As férias podem ser o momento mais maravilhoso do ano… ou o mais triste. De acordo com os Institutos Nacionais de Saúde, há uma alta incidência de depressão durante as férias de dezembro. Pacientes com infertilidade muitas vezes enfrentam mais tristeza durante esse período.

O que torna as férias mais difíceis do que outras épocas do ano?

Interações com amigos e familiares durante esta época do ano podem ser difíceis por várias razões. As famílias e amigos podem anunciar: “Nós estamos grávidos”. Mesmo os pacientes com infertilidade sentem-se felizes por um parente ou amigo, mas é natural que eles se sintam mal-humorados sobre sua própria infelicidade.

Além disso, os membros da família podem ser intrusivos fazendo muitas perguntas, dando conselhos não solicitados ou criticando a infertilidade do paciente. As férias também podem marcar o fim de mais um ano sem um bebê.

O que os pacientes com infertilidade podem fazer para ajudar a si mesmos nesta época difícil?

Eu aconselho meus pacientes a fazerem um plano. Entender que as férias podem trazer mais estresse pode ajudar os pacientes a minimizarem suas interações com amigos e familiares, ou lhes preparar para serem diretos com eles sobre seus sentimentos. Para alguns pacientes, isso pode significar tomar a decisão de perder alguns eventos nas férias. Alguns pacientes aproveitam esta oportunidade para viajar com seus parceiros e se concentrarem em seu relacionamento; as férias podem ser um ótimo momento para uma viagem a um resort apenas para adultos.

Se faltar das comemorações das férias é intolerável para os amigos e familiares dos pacientes, peço-lhes que considerem o seguinte: relações especiais valem a pena preservar. O tratamento de infertilidade não dura para sempre, mas relações com a família e os amigos podem durar a vida inteira.

O que os membros da família podem dizer ou fazer?

Os amigos e a família precisam entender que a infertilidade é uma condição médica e a dor causada por ela pode levar à depressão, auto culpa e redução da autoestima. Na verdade, os pacientes com infertilidade que são mal sucedidos no tratamento podem experimentar níveis de depressão semelhantes aos pacientes de quimioterapia. Frases como “apenas relaxe” e “veja o lado positivo” podem passar um sentimento de crítica.

Meu conselho é que os amigos e os familiares aceitem as dicas do paciente. Se não está claro o que o paciente quer, pergunte. Pode ser útil iniciar a conversa dizendo algo como: “Eu sei que você está passando por um momento difícil. Não tenho certeza de como responder a você, mas quero que você saiba que me importo e estou aqui a qualquer hora que precisar. Eu serei intrusivo e lhe farei perguntas, mas saiba que sempre quero saber como você está”.

Pode ser difícil imaginar que um dia toda a dor da infertilidade diminuirá e eventualmente desaparecerá. Mas vai, e se os pacientes podem dedicar um tempo para cuidarem de si mesmo e planejarem suas interações com os outros, as férias podem não ser a melhor época do ano, mas será melhor dadas as circunstâncias. E o mais importante, bem-estar emocional e relacionamentos continuarão intactos para que futuras férias possam ser maravilhosas.

 

Sra. Schuman, Diretora dos Serviços de Saúde Mental da Associação de Medicina Reprodutiva de Connecticut (RMACT), tem trabalhado com pacientes com infertilidade por quase duas décadas. Recebeu vários prêmios de pesquisa da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) e das reuniões anuais da Sociedade Reprodutiva da Costa do Pacífico; o prêmio mais recente foi apresentado na Reunião Anual da ASRM de 2014 por suas contribuições aos estudos clínicos sobre a criopreservação eletiva de oócitos, comumente conhecida como o congelamento de óvulos. Para mais informações sobre infertilidade, visite www.rmact.com.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
November 8, 2016

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *