Lições Aprendidas: Através de Brincadeiras Infantis

Veja esta matéria em English, Español

PAIS & FILHOS

Lições Aprendidas: Através de Brincadeiras Infantis

By Anne E. Mead - Tradução: Fernanda Magrini Sinha

Juan estava ocupado brincando com os blocos Duplo quando Petro veio e disse: “Eu quero todos os seus blocos. Eu não tenho nenhum”. Juan olhou para cima, pegou seus blocos e disse: “Não, estes são meus!” Petro colocou seus braços em seus quadris prontos para gritar quando parou e olhou para Juan. Em alguns segundos Petro disse: “Posso pegar alguns deles?” Juan deu-lhe alguns blocos com um sorriso no rosto e disse “vamos brincar juntos?” Ambos os pais ficaram espantados enquanto seus filhos de três anos expressavam suas necessidades, e por conta própria começaram a trabalhar o que poderia ter sido uma luta pelos Duplos. Alguns podem se perguntar: onde Juan e Petro aprenderam essas notáveis habilidades sociais? O que os levaram ao resultado que terminou com ambos os meninos compartilhando seus brinquedos. Essa partilha pode parecer o oposto do que normalmente esperamos das crianças com três anos de idade. Como seus pais moldaram suas respostas para serem diferentes e não desencadear uma briga? A mãe de Juan comentou que nunca tinha visto ninguém brigar e em casa eles ensinam ‘toque gentil’ a ele. A mãe disse que aprendeu essa técnica em um curso de primeira infância na Danbury High School.

Ela e seu marido decidiram que, quando tivessem filhos, teriam como objetivo ensinar habilidades sociais através do toque, uma estratégia muitas vezes negligenciada que pode ajudar as crianças a desenvolverem conexões sociais. Do ponto de vista de um educador da primeira infância, sua abordagem tem sido eficaz, mas como Petro aprendeu suas habilidades?

A mãe de Petro disse que ele tem dois irmãos mais velhos que muitas vezes envolvem Petro em lutas divertidas, mas eles também trabalham a gentileza e como pedir as coisas. Embora a maioria das crianças de três anos de idade ainda seja muito egocêntrica (pensam apenas nelas e não veem a perspectiva do outro), as habilidades que os dois meninos possuem estão acima da sua idade de desenvolvimento.

Essas interações mostram como o debate natureza/educação se desenvolve na vida real. Embora não importe como o desenvolvimento precoce seja atribuído a suas personalidades, os atributos da vida que eles aprenderam sendo gentis têm ajudado a superar o potencial de um conflito reativo. Aprendendo maneiras mais apropriadas de lidar com o conflito, eles desenvolveram habilidades que durarão a vida inteira.

Todos os dias, me preocupo com a próxima geração e como ela sobreviverá. O que podemos fazer com a nossa geração atual para torná-la mais social, respeitar a vida e honrar os outros? As lições parentais de Juan e Petro são valiosas para todos nós.

O toque é tão poderoso que os neurocientistas atribuem as primeiras respostas ao toque às habilidades sociais mais desenvolvidas. Abraçar, afagar e tocar cedo ajudam a desenvolver uma melhor consciência dos próprios corpos dos bebês e a capacidade de compreender e relacionarem-se com os outros ao seu redor. Ambos os pais usaram a “abordagem do toque” e a prova está no comportamento de seus filhos: compartilhamento e boa resolução de conflitos.

Que esta seja uma lição para todos nós. Feliz Ano Novo para um mundo mais amável, mais atencioso e compassivo em 2017.

Anne E. Mead, M. Ed., é administradora dos Programas de Educação Infantil e Extensão de Aprendizagem das Escolas Públicas de Danbury. Se você tiver alguma dúvida, sinta-se à vontade para entrar em contato com ela no 203-830-6508 ou meadan@danbury.k12.ct.us.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
January 16, 2017

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *