Criando espaços públicos no centro de Danbury

Veja esta matéria em: English, Español

Tem Cidade

Criando espaços públicos no centro de Danbury

By P.J. Prunty| Tradução: Fernanda Magrini Sinha

O que acontece quando você coloca um piano — sem pianista — em um espaço público? O artista internacional Luke Jerram foi nomeado para descobrir isso em Birmingham, no Reino Unido, em 2008. Ele levou pianos para as ruas por três semanas, e o resultado foi “placemaking”. Antes do termo virar tendência.

Naquelas três semanas, mais de 140 mil pessoas tocaram ou ouviram ou dançaram. Até o momento, o projeto — “Play Me, I’m Yours” (“Toque-me, eu sou seu”) — instalou mais de 1.500 pianos de rua em espaços públicos em mais de 50 cidades do mundo e atraiu mais de oito milhões de pessoas. Logo mais, os pianos de rua aparecerão em Boston em setembro.

Todo mundo precisa de “um terceiro lugar” — não em casa ou no local de trabalho, mas que transcenda o cotidiano. Pense na cantina, taverna, café ou os ótimos lugares sociais de Danbury quando a Hat City fazia chapéus.

Jerram escreve: “A ideia do ‘Play Me, I’m Yours’ veio depois de visitar minha lavanderia local. Eu via as mesmas pessoas lá todos os fins de semana e ninguém conversava entre si. De repente, percebi que em uma cidade, deve haver centenas dessas comunidades invisíveis, regularmente passando tempo um com o outro em silêncio. Colocar um piano no espaço foi a minha solução para este problema, atuando como um catalisador para a conversa e mudando a dinâmica de um espaço”.

E isso é o que eu quero que o CityCenter Danbury realize enquanto engajamos, estimulamos e provemos autonomia àqueles que vivem, trabalham, visitam, aprendem — e tocam — no centro.

Alguns meses atrás participei de uma conferência intitulada “Cultivando o Lugar nas Comunidades da Main Street de Connecticut”, organizada pelo Connecticut Main Street Center.

A conversa geral foi como pegar os espaços públicos, geralmente localizados no núcleo urbano, e transformá-los em espaços públicos desejáveis onde diversos moradores possam desfrutar. Eu voltei ao CityCenter com essas conclusões:

Um dos componentes que pensei que foi o mais impactante, foi o conceito de colocar juntos planos ou eventos em certos espaços que não custarão milhares de dólares ou que exigirão muitos recursos e tempo para executá-los. Alguns exemplos que foram fornecidos incluem a instalação de cadeiras ou mesas ao longo de uma determinada área para incentivar as pessoas a utilizarem o espaço de uma maneira diferente do que normalmente fariam.

Outro componente que achei muito valioso foi ter certeza de que a comunidade estivesse envolvida nas discussões sobre o uso potencial de um espaço público e organizar um processo de compartilhar ideias para identificar suas necessidades e potenciais.

Fiquei intrigado com uma discussão sobre a triangulação, já que esse fator, acredito, é crítico se quisermos ter um sucesso sustentável. A triangulação é a importância de criar um ambiente que promova muitas atividades que apoiem e sustentem umas às outras.

E, finalmente, “Não deixe que a resposta ‘custará muito dinheiro’ seja uma desculpa para seguir em frente”. Orçamentos menores exigem um pensamento mais criativo, que esperamos proporcionar uma experiência

O que acontece quando você coloca um piano — sem pianista — em um espaço público? O artista internacional Luke Jerram foi nomeado para descobrir isso em Birmingham, no Reino Unido, em 2008. Ele levou pianos para as ruas por três semanas, e o resultado foi “placemaking”. Antes do termo virar tendência.

Naquelas três semanas, mais de 140 mil pessoas tocaram ou ouviram ou dançaram. Até o momento, o projeto — “Play Me, I’m Yours” (“Toque-me, eu sou seu”) — instalou mais de 1.500 pianos de rua em espaços públicos em mais de 50 cidades do mundo e atraiu mais de oito milhões de pessoas. Logo mais, os pianos de rua aparecerão em Boston em setembro.

Todo mundo precisa de “um terceiro lugar” — não em casa ou no local de trabalho, mas que transcenda o cotidiano. Pense na cantina, taverna, café ou os ótimos lugares sociais de Danbury quando a Hat City fazia chapéus.

Jerram escreve: “A ideia do ‘Play Me, I’m Yours’ veio depois de visitar minha lavanderia local. Eu via as mesmas pessoas lá todos os fins de semana e ninguém conversava entre si. De repente, percebi que em uma cidade, deve haver centenas dessas comunidades invisíveis, regularmente passando tempo um com o outro em silêncio. Colocar um piano no espaço foi a minha solução para este problema, atuando como um catalisador para a conversa e mudando a dinâmica de um espaço”.

E isso é o que eu quero que o CityCenter Danbury realize enquanto engajamos, estimulamos e provemos autonomia àqueles que vivem, trabalham, visitam, aprendem — e tocam — no centro.

Alguns meses atrás participei de uma conferência intitulada “Cultivando o Lugar nas Comunidades da Main Street de Connecticut”, organizada pelo Connecticut Main Street Center.

A conversa geral foi como pegar os espaços públicos, geralmente localizados no núcleo urbano, e transformá-los em espaços públicos desejáveis onde diversos moradores possam desfrutar. Eu voltei ao CityCenter com essas conclusões:

Um dos componentes que pensei que foi o mais impactante, foi o conceito de colocar juntos planos ou eventos em certos espaços que não custarão milhares de dólares ou que exigirão muitos recursos e tempo para executá-los. Alguns exemplos que foram fornecidos incluem a instalação de cadeiras ou mesas ao longo de uma determinada área para incentivar as pessoas a utilizarem o espaço de uma maneira diferente do que normalmente fariam.

Outro componente que achei muito valioso foi ter certeza de que a comunidade estivesse envolvida nas discussões sobre o uso potencial de um espaço público e organizar um processo de compartilhar ideias para identificar suas necessidades e potenciais.

Fiquei intrigado com uma discussão sobre a triangulação, já que esse fator, acredito, é crítico se quisermos ter um sucesso sustentável. A triangulação é a importância de criar um ambiente que promova muitas atividades que apoiem e sustentem umas às outras.

E, finalmente, “Não deixe que a resposta ‘custará muito dinheiro’ seja uma desculpa para seguir em frente”. Orçamentos menores exigem um pensamento mais criativo, que esperamos proporcionar uma experiência única.

 

P.J. Prunty é diretor executivo do CityCenter Danbury, projeto de redesenvolvimento encarregado de melhorias de negócios da cidade de Danbury. Se você tiver dúvidas ou comentários não hesite em contatá-lo em 203-792-1711 ou em pjprunty@citycenterdanbury.com.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedIn
December 23, 2016

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *